Computação cognitiva: entenda o que é!

Tempo de leitura: 3 minutos

A computação cognitiva tem mudado a maneira como lidamos com a análise de dados. Antes restrita a ambientes de planejamento comercial, agora ela também pode ser integrada a aplicativos e serviços, melhorando as estratégias de negócios e colocando empresas em um lugar de destaque no mercado.

Quer saber mais sobre o tema? Então veja o nosso post de hoje!

O que é a computação cognitiva?

A computação cognitiva é uma tecnologia que dá a sistemas a capacidade de analisar um grande conjunto de informações em um tempo mínimo. Assim, softwares e pessoas podem tomar decisões rapidamente a partir de uma análise de dados abrangente e inovadora, que envolve registros estruturados e não estruturados.

Com um design descentralizado de dados e uma infraestrutura de TI de alta performance, profissionais podem criar novos insights, otimizar os seus processos de tomada de decisão e agir de maneira estratégica no ambiente corporativo. Assim, com uma análise mais complexa das informações de mercado, a empresa pode posicionar-se melhor e trabalhar com rotinas mais inteligentes.

Quais são as aplicações da computação cognitiva?

Assim como outras tecnologias, a computação cognitiva afetará uma série de rotinas e serviços do nosso dia a dia. Graças a uma análise de dados mais inteligente, integrada e eficaz, empresas e instituições conseguirão criar serviços mais adaptados às necessidades do seu público-alvo e, ao mesmo tempo, solucionar problemas com agilidade. Confira três setores que serão afetados por essa atividade:

Medicina

Na medicina, a computação cognitiva mudará a maneira como pesquisas e tratamentos são realizados. Médicos contarão com uma base de dados mais integrada, capaz de auxiliar os profissionais a fazerem diagnósticos mais inteligentes e precisos.

Um dermatologista, por exemplo, poderá comparar a foto de uma lesão com um grande banco de dados, identificando rapidamente a doença, a partir de milhões de diagnósticos anteriores.

Música

Na música, artistas poderão utilizar a computação cognitiva para criar novas produções e buscar inspirações em locais até então pouco explorados. Com sistemas inteligentes, será mais fácil rastrear a internet em busca de conexões e referências para a produção de novas músicas, tornando a sua obra mais diversificada.

Para ouvintes, a computação cognitiva fornece uma maneira mais rápida e precisa para encontrar novos sons. Aplicativos podem utilizar bases de dados mais inovadoras para rastrear, a partir do trecho de uma canção, o nome do artista, álbum e até a letra da música que está sendo tocada em um ambiente.

Culinária

Desenvolvedores podem utilizar a computação cognitiva para criar aplicativos de receitas mais inovadores. Aprendendo com o gosto do usuário, os apps podem fazer sugestões de receitas com um melhor direcionamento ou com base nos ingredientes disponíveis no momento. Assim, cria-se uma experiência mais agradável e moderna no momento em que as pessoas se alimentam.

Mudando a maneira como lidamos com TI

A análise de dados já faz parte do dia a dia de quem trabalha com planejamento comercial no ambiente corporativo. Mas com os desenvolvimentos do Big Data, essa tecnologia passou a fazer parte de uma série de processos, tornando a nossa rotina mais ágil e prática. Em diferentes cenários, algoritmos já são utilizados para prever o comportamento do usuário e, assim, realizar sugestões com um melhor direcionamento.

Nesse sentido, a computação cognitiva pode ser vista como o ponto-chave para a criação de ferramentas mais inovadoras e conectadas com os gostos de usuários. Sugestões serão criadas automaticamente a partir do hábito de cada perfil de uso, tornando sistemas mais eficazes e a experiência de uso mais agradável. Para empresas, isso representará a oportunidade de aumentar a fidelidade aos seus produtos e à sua lucratividade.

Você pretende utilizar a computação cognitiva em seu ambiente de trabalho? Compartilhe conosco nos comentários!