IAAS, PAAS, SAAS: conheça os modelos fundamentais de Cloud Computing

Tempo de leitura: 9 minutos

O cloud computing é um modelo de serviço de TI que possibilita o acesso a diversos recursos computacionais, como servidores, redes, aplicações e serviços por meio da internet.

Permite também que, sob demanda, seja contratada uma parte considerável da infraestrutura de TI para abrir ou ampliar um negócio — e com um investimento bem menor, se comparado com o necessário para montar uma própria. Assim, se beneficia de tecnologias de alta performance a um custo mais acessível.

Quanto a isso, existem diferentes modelos de cloud computing que são oferecidos como serviço às empresas. Entre eles, destacamos IaaS (infraestrutura como serviço), PaaS (plataforma como serviço) e SaaS (software como serviço).

Neste artigo, veremos o que são e como são aplicados esses modelo de serviço. Primeiramente, vamos mostrar algumas características comuns a todos os serviços de armazenamento em nuvem. Em seguida, descreveremos os três tipos de serviços citados. Confira!

Características dos serviços de cloud computing

Serviços sob demanda

Um serviço de armazenamento em nuvem dá à empresa, que necessita de uma infraestrutura de TI, a condição de contratar apenas os recursos de que precisará para que seu negócio possa funcionar.

Assim, não importa se a empresa está começando ou se já está mais madura — ela utilizará apenas o que é necessário para manter suas operações.

Ubiquidade

Os serviços e dados armazenados em um servidor em nuvem podem ser facilmente acessados de qualquer lugar com acesso à internet, e por meio dos mais diversos tipos de dispositivos, como laptops, tablets, smartphone ou computadores de mesa.

Aumento dos recursos utilizados

Uma das grandes vantagens do uso de computação em nuvem é a facilidade para expandir os recursos virtuais ou físicos utilizados. Isto que permite que a empresa, com facilidade e rapidez, redimensione sua estrutura em função das variações de suas necessidades.

Elasticidade

O cloud computing permite ainda a alocação de mais recursos em função de aspectos, como:

  • quantidade de dados que será armazenada;
  • capacidade de processamento de que seus sistemas necessitam para rodar com a performance ideal;
  • número estimado de transações que serão realizadas por período de tempo.

Nesse sentido, a empresa pode fazê-lo de forma transparente para os seus consumidores.

Medição da capacidade contratada

Provedores infraestrutura em nuvem também fornecem sistemas que tornam simples o gerenciamento dos recursos contratados.

Eles permitem que o cliente possa observar, a todo instante, se a capacidade utilizada está próxima do limite contratado, e a qualidade com que estão funcionando. Além disso, emitem alertas em caso de falhas e dão opções para que se possa atuar rapidamente para a sua resolução.

Assim, de acordo com fatores como número de usuários que acessam os sistemas, aumento dos dados armazenados do tempo, oferecimento de novos serviços e produtos ou a redução da estrutura quando se deseja retirar do ar um sistema, a empresa pode contratar ou deixar de usar servidores e outros recursos contratados.

Nesse sentido, além de ajudar em relação aos negócios que já estão no ar, facilitam o processo de desenvolvimento e prototipagem de novos produtos e validação de modelos de negócio.

Os três principais modelos cloud computing são:

Software como serviço – SaaS

SaaS (Software as Service) são aplicações hospedadas na nuvem que podem, de uma forma simples, ser acessadas por pessoas para diversas finalidades, a partir de um navegador web ou um aplicativo em um smartphone, ou até de outros dispositivos, como smartwatchs e smart tvs.

Para se ter uma ideia, ao realizar transações em uma conta bancária através da web, postar informações em redes sociais ou contratar um serviço de transporte, estamos acessando uma plataforma SaaS.

E esse modelo de serviço é muito vantajoso para que negócios possam ganhar escalabilidade. Afinal, disponibilizado na nuvem, um serviço pode ser acessado por quaisquer pessoas ao redor do mundo, desde que tenham acesso à internet.

Além disso, ao criar um serviço que seja de interesse decerto nicho de mercado, os consumidores podem se beneficiar amplamente dessa facilidade de acesso característica do SaaS.

Outro grande beneficio diz respeito ao desenvolvimento de negócios que envolvem a economia colaborativa. Alguns exemplos clássicos são o Arnbnb e o Uber, que permitem que uma pessoa empreenda, utilizando seus próprios bens, por meio de uma plataforma no modelo SaaS.

Plataforma como serviço – PaaS

PaaS (Platform as Service) é um ambiente de desenvolvimento em nuvem que disponibiliza recursos para acelerar a criação e gerenciamento de sistemas, como linguagens, bibliotecas, serviços e ferramentas.

Já em um nível mais baixo, ela é integrada a uma infraestrutura de componentes de hardware, e abstrai seu uso.

Nessa plataforma, o cliente não precisa manipular a infraestrutura necessária para que uma aplicação seja desenvolvida, como servidores, sistemas operacionais, sistemas de armazenamento de dados e rede.

Aqui, o foco passa a ser apenas o desenvolvimento da aplicação, salvo uma ou outra configuração no ambiente em que está hospedada.

Assim, a empresa que fornece o serviço no modelo PaaS não apenas é responsável por prover a infraestrutura para se desenvolver o software, mas também por manter um ambiente de desenvolvimento amplamente gerenciável, e com recursos à disposição dos programadores.

Mas a configuração de um ambiente de desenvolvimento costuma demandar tempo em função de diversas configurações, que são necessárias para que diversas ferramentas conversem entre si.

Além disso, o time de desenvolvimento precisa de tempo para instalar e testar bancos de dados, linguagens de programação, frameworks e servidores web. Dessa forma, o prazo para que um software esteja disponível para uso por consumidores é bastante reduzido.

Ao contratar um serviço PaaS, a empresa pode ainda optar por um modelo público — no qual, de qualquer lugar, a equipe de desenvolvimento possa trabalhar — ou privado — em que, apenas em um ambiente definido, se pode oferecer aos desenvolvedores o acesso aos serviços em nuvem contratados.

Podemos encontrar no mercado provedores de PaaS que oferecem plataformas open source, ou arquiteturas mais proprietárias. E essa consideração é importante, especialmente se a empresa tiver interesse em transferir ou replicar o ambiente de desenvolvimento para nuvens distintas.

Infraestrutura como serviço – IaaS

IaaS é um serviço de cloud computing em que a infraestrutura é contratada para hospedar aplicações em desenvolvimento, ou que serão disponibilizadas depois, para os consumidores finais.

O cliente que contrata uma infraestrutura no modelo IaaS não deverá se preocupar com aspectos relacionados à parte física, como servidores e redes. Entretanto, ficará responsável por escolher, instalar e configurar os recursos utilizados para que a aplicação possa rodar.

Assim, elementos como sistemas operacionais, sistemas para armazenamento de dados, servidores web, firewall, segurança, backups e toda a configuração do ambiente de desenvolvimento ficam a cargo do cliente, que deverá configurá-los e mantê-los atualizados.

De fato, provedores de IaaS podem oferecer facilidades para a configuração de ambientes de desenvolvimento, disponibilizando ferramentas que aceleraram a criação do ambiente para linguagens e frameworks. Porém, ele continua configurável conforme a necessidade.

Isso pode gerar, inclusive, certa confusão ao diferenciá-la conceitualmente do PaaS. A diferença é que, na plataforma como serviço, as configurações do ambiente de desenvolvimento são mais transparentes para os desenvolveres.

Alguns exemplos de aplicações de IaaS são:

  • substituir a criação de uma infraestrutura de rede em um ambiente físico: armazenar, em uma instrutura em nuvem, todos os sistemas e recursos de que uma empresa precisa para dar sustentação aos seus negócios;
  • hospedagem em nuvem: hospedar diversos websites em um mesmo lugar, podendo compartilhar recursos e serviços entre eles;
  • virtualização de data centers: expandir, de forma rápida, a estrutura física já existente em uma empresa, utilizando servidores com alta capacidade de armazenamento e processamento de informações.

Vale ressaltar, enfim, que a contratação de um serviço de armazenamento em nuvem confere diversas vantagens para uma empresa, tornando muito mais viável a abertura e ampliação dos negócios.

Ao utilizar uma infraestrutura já montada, capaz de apresentar alta performance e contando com profissionais responsáveis pela sua manutenção, ela tem reduzidos o custo e o tempo para virtualizar um serviço, ou acrescentar novas tecnologias para a melhoria de seus processos.

Utilizando o modelo de cloud computing IaaS, a empresa pode optar por colocar na nuvem todos os dados utilizados em seus negócios. E sistemas robustos para controle de processos, como EPRs, podem ser mantidos integralmente em nuvem.

Ferramentas e tecnologias para análises de grandes volumes de dados, com Big Data e Business Inteligente, também podem instaladas na nuvem e permitir que os profissionais envolvidos com o negócio tenham amplo acesso a essas informações — que serão utilizadas nos processos de tomada de decisão.

Enfim, para resumir, podemos vemos que a principal diferença entre IaaS, PaaS, SaaS está na camada que cada um ocupa no âmbito do desenvolvimento de um sistema em nuvem.

SaaS é a camada onde o cliente final acessará o software para utilizar os seus serviços. É, assim, o serviço utilizado por uma empresa para gerar valor a partir da comercialização dos recursos tecnológicos desenvolvidos.

Já em relação ao desenvolvimento e ao armazenamento das aplicações e dados, o PaaS e o IaaS podem ser usados:

  • PaaS: em que o ambiente de desenvolvimento já está instalado, e pronto para que os desenvolvedores possam começar a trabalhar;
  • IaaS: no qual os desenvolveres não precisarão se preocupar com a infraestrutura de hardware, mas deverão gerenciar o ambiente de desenvolvimento.

E aí, gostou deste artigo? Esperamos que ele tenha trazido informações importantes, que o ajudarão a compreender essa três forma de oferecer serviços em nuvem. Agora, quer se informar melhor sobre alguma delas, tirar uma dúvida ou enviar seu recado? Deixe-nos o seu comentário!