Canvas: o que é e para que serve?

Tempo de leitura: 2 minutos

Planejar um modelo de negócios não é uma tarefa fácil. São tantas variáveis que se inserem para análise nesse processo que podemos ficar perdidos e colocar tudo a perder.

Tendo isso em mente, o suíço Alex Osterwalder escreveu em sua Tese de Doutorado HEC Lausanne, e Yves Pigneur o Business Model Generation, ou simplesmente Canvas. Essa metodologia criada em 2000 já foi utilizada por grandes empresas como a Apple e tem como um princípio a cocriação de modelos de negócio, pela análise dos principais elementos que compõem uma organização.

Descubra o que é e como funciona essa ferramenta.

O que é o Canvas?

É uma ferramenta dinâmica em formato de um quadro que permite analisar o modelo de negócios que está sendo criado, remodelado ou adaptado. Esse modelo tem como premissa o pensamento visual, ou seja, o uso de desenhos para representar situações ou ideias.

Essa metodologia possibilita descrever e pensar sobre o modelo de negócios da organização do empreendedor, de seus concorrentes ou qualquer outra empresa. Conforme Osterwalder e Pigneur (2011, p. 15). Por ser muito visual, é importante estar em um local em que todos possam observar, absorver e apontar sugestões e mudanças, afinal, é uma metodologia que também se estrutura nos pilares de colaboração e cocriação.

Os 9 blocos

Na criação do Canvas, são considerados nove blocos, os quais correspondem às áreas essenciais do negócio. São eles:

  1. Proposta de valor: o que sua empresa vai oferecer para o mercado que realmente terá valor para os clientes;
  2. Segmento de clientes: quais segmentos/tipos de clientes serão foco da sua empresa;
  3. Canais: como o cliente compra e recebe seu produto e serviço;
  4. Relacionamento com clientes: como a sua empresa se relacionará com cada segmento de cliente;
  5. Atividade-chave: quais são as atividades essenciais para que seja possível entregar a Proposta de Valor;
  6. Recursos principais: são os recursos necessários para realizar as atividades-chave;
  7. Parcerias principais: são as atividades-chave realizadas de maneira terceirizada e os recursos principais adquiridos fora da empresa;
  8. Fontes de receita:  formas de obter receita por meio de propostas de valor.
  9. Estrutura de custos: custos relevantes necessários para que a estrutura proposta possa funcionar.

Agora que você já conhece essa metodologia e sabe para que ela funciona, confira os Canvas de grandes líderes do mercado.

Confira-os no material abaixo.