TD Web Conference 19 | Dia 1

Tempo de leitura: 7 minutos

Sabemos! É bastante conteúdo que os 82 palestrantes, distribuídos em mais de 40 horas trazem para fazer a maior conferência sobre Transformação Digital do Brasil, que acontece durante os 5 dias desta semana (22 a 26 de abril).

Inscreva-se que ainda há tempo >>> http://www.tdwebconference.com

Reunimos alguns recados dos palestrantes que estiveram no TD Web conference nessa segunda-feira. Vem com a gente!

A primeira palestrante do dia, Ludymila Pimenta, fundadora da RH Lab, falou sobre a verdade sobre a cultura em meio a Transformação Digital. Ela afirma:

“O colaborador é o consumidor dos serviços de RH”

“O colaborador é o cliente interno, mas o que você está fazendo para ele de fato ser um cliente?”

Laura Widal da LW Consultoria foi a segunda palestrante do dia e abordou o tema da Carreira: como manter-se relevante na era digital.

“O empreendedor é uma pessoa que busca resolver o problema de alguém”

“Que dor você resolve? Que demanda de mercado você atende? Qual é sua vocação?”

André Forastieri que é Top Voice Linkedin falou sobre a reinvenção profissional no mundo digital.

“Pessoas inovam porque precisam, não porque gostam de mudar.”

“O que importa é você criar conexão de valor.”

Marc Tawil, jornalista e empreendedor em talk sobre networking 4.0

“Empreender não significa mais uma extensão da carreira, empreender significa deixar sua marca no mundo.”

“Tudo o que você pode fazer no digital gera economia por um lado e te amplifica por outro.”

“A cada 100 pessoas, 5 irão te elogiar, 5 irão te criticar e 90 irão printar o que você disse na internet.”

“Seu nome é sua grife.”

Carolina Fuhrmeister da Grou palestrou sobre people analytics: o impacto de dados sobre pessoas nos resultados do negócio.

“Primeiro implementar um mindset, uma cultura digital para depois analisar e implementar as ferramentas necessárias”

Igor Lopes, do portal Transformação Digital afirmou “Dados são o novo petróleo, pessoas são o principal elemento a chave da Transformação Digital” e Carolina declara:

“Chegou a hora do RH ser mais TECH também.”

no talk trouxe estatística “.. 85% dos problemas de uma organização estão relacionados à pessoas, e no entanto 100% das soluções. Logo, onde está o veneno está o antídoto”

Abordando o tema da tecnologia como suporte para líderes, Rodrigo Pimentel da Afferolab

“A força das pessoas, o alinhamento entre propósito e a forma como você se comunica com as pessoas é fundamental para conseguir que elas embarquem no projeto e façam as coisas acontecerem.”

“A ideia da próxima grande novidade morreu”

“A sua Transformação Digital, o melhor possível sairá desta combinação: Ferramentas de TI, Processos e Pessoas.” Perceba o entendimento e conexão que Rodrigo e Introduce tem em comum.

“Apenas 5% das empresas acreditam que tenham líderes digitais fortes.”

“Dimensões do líder digital: foco nas pessoas, foco nos negócios e foco no futuro.”

Otávio Torres head de pessoas da Contabilizei fala sobre as novas práticas de RH.

“People operations: operação das pessoas. Visamos fomentar o desenvolvimento das pessoas dentro da organização”

“Buscamos uma experiência diferente da que o mercado oferece para as pessoas, dessa forma, a experiência faz com que a pessoa acabe se engajando mais e entendendo mais o porque ela está ali e porque fará parte de nosso time.”

Ruy Shiozawa em talk sobre Transformação Digital for all.

“Transformação Digital é pessoas mais tecnologia”

“Seja agente da Transformação Digital. Ou seja, você pode fazê-la ou alguém a fará por você.”

“Desenvolva lideranças que valorizem pessoas.”

“Pense no seu cliente como pessoa antes de pensar no dinheiro que ele trará para você”

Representando a Alura, Adriano Almeida fala sobre o papel das empresas na transformação de pessoas.

“Deveríamos mesmo nos preocupar com Transformação Digital ou deveríamos nos preocupar com Transformação de Pessoas?”

“Transformação Digital é a mudança na forma como as organizações entregam valor para seus clientes.”

“Transformação de Pessoas é a mudança na forma como as organizações impulsionam suas pessoas para entregar valor para seus clientes.”

“A educação coloca como principal responsável do processo de aprendizagem o educador. Quando mudamos essa visão para a aprendizagem, colocamos como protagonista o aprendiz. E em se tratando dos meios corporativos, faz muito sentido colocar o protagonismo no aprendiz.”

Neivia Justa fala sobre representatividade feminina e inovação.

“Se todos fizerem o que está a seu alcance, podemos mudar o mundo.”

“Culturalmente, as mulheres foram educadas para ficar nos bastidores, para  priorizar outras funções, mas ainda há muitas mudanças a serem feitas.”

“Há muitas barreiras a serem transpostas, tanto de curadorias (de eventos), quanto das próprias mulheres para saber que esse é o lugar que nos pertence.”

“A primeira turma de ciências da computação do Instituto de Matemática e Estatística de São Paulo de 1974 era um curso basicamente feminino. Essa turma tinha 14 mulheres e 6 homens. Já em 2016, a turma com 41 alunos possui apenas 6 mulheres.”

“A diversidade é caminho para gerar inovação. Não havendo inovação não há sustentabilidade a longo prazo. De estar fazendo diferentes perguntas para os mesmos problemas.”

Nayla Pires, responsável pela área de Customer Experience na ZOOM debate sobre cultura centrada nas pessoas e amplificada pelos dados.

“Existe uma diferença entre confiabilidade e confiança. A confiabilidade é algo como expectativa VS realidade. A confiança entra em um aspecto maior dessa emoção, pois nela ocorre compartilhamento de crenças e valores.”

“Branding = cultura = patrimônio”

“Não há porque não investir em cultura data driven. Não há porque não tentar identificar padrões e comportamentos através dos dados. E principalmente, não há porque não tentar enxergar a necessidade das pessoas por trás dos números.”

“Organizações metrificadas podem atingir as melhores performances, mas é menos provável que atinjam o sucesso. O mais forte fator determinante do sucesso é o DINAMISMO”

Leo Redondo aborda a questão das organizações líquidas e mentalidade adaptável para a cultura ágil.

“Modernidade líquida: a liquidez e a seu estado volátil desorganizam todas as esferas da vida social tal qual as conheciamos até o momento – inclusive o trabalho, negócios e organizações.”

“Abordagens tradicionais não dão mais conta desse mundo caótico, desse mundo em constante mudança. Precisamos de abordagens fluidas e que se adaptem a esse cenário.”

Pedro Axelrud do Nubank fala sobre a importância do Product Management para o sucesso de uma empresa.

“Mantemos as perguntas vivas pois, deste tipo de relacionamento surgem as melhores ideias.”

“Quanto mais a empresa vai expandindo, mais é preciso se adaptar. Talvez o que funcione hoje, não funcione daqui há seis meses e, ao invés de ficar ‘batendo a cabeça’ você precisa estar pronto para correr atrás, para resolver e reorganizar.”

A líder da área de Diversidade e Inclusão da Oracle para a América Latina, Daniele Botaro, traz o tópico da “nova” diversidade corporativa: multigerações.

“Dizem que deveriamos tratar os outros da forma como gostaríamos de ser tratados, quando na verdade, devemos tratar os outros da forma como ELES gostariam de ser tratados.”

“Os Millenials serão 75% de todos que estarão trabalhando, independentemente de profissão, daqui a cerca de 6 anos. Ou seja, a sua empresa estar preparada para receber millenials em 5 ou 6 anos será o seu diferencial.”

“Como você dá chances reais para as pessoas sem esse pré-conceitos?”

“O quanto ter pessoas engajadas, desenvolvidas, que estejam alinhadas com a cultura – alinhadas com os valores e objetivos – o quanto isso impacta maneira como atendemos nossos clientes, como entendemos os problemas deles, como apresentamos soluções melhores.”

“Qual é o novo profissional do futuro? Qual é o profissional que vai ser necessário?”